Os dados da pesquisa da Produção Agrícola Municipal (PAM), divulgados nesta quarta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam que a agricultura baiana voltou a bater recordes em diversas cadeias produtivas.

 

Como resultado, de 2019 para 2020 o valor gerado pela agricultura do estado teve o maior aumento em 26 anos, da ordem dos 41,9%. Os dados apontam ainda que  o novo patamar atingido é o total movimentado pelo setor no estado – R$ 27,5 bilhões –, sendo esses números os maiores desde o começo da série histórica da PAM em 1974.

 

A pesquisa faz seu levantamento a partir da coleta de dados sobre 66 produtos em todos os municípios do país. De acordo com o governo do estado, dos 66 produtos investigados, 45 são cultivados na Bahia e desse total, 38 deles (84,44%) apresentaram crescimento no valor de produção entre 2019 e 2020. A performance fez a participação da Bahia subir no valor total gerado pela agricultura brasileira, saindo de 5,4% (2019) para 5,8% (2020).

 

Ainda de acordo com o governo, no ano passado a safra de grãos do estado foi a maior de todos os tempos, o que representa mais um recorde para a Bahia. Foram colhidas 10,6 milhões de toneladas de grãos no estado. Integram o grupo os cereais, leguminosas e oleaginosas, constituindo um conjunto de 15 produtos.

 

A pesquisa do IBGE mostra que tanto na Bahia como também no Brasil, são eles, os grãos, responsáveis por pouco mais de R$ 6 em cada R$ 10 gerados pela agricultura, sendo 62,8% no valor total nacional (ou R$ 295,7 bilhões) e 64,4% no total da Bahia (ou R$ 17,7 bilhões). Esses R$ 17,7 bilhões mostram um crescimento de 56,5% em relação ao total percebido com a produção de grãos na Bahia em 2019, que foi de R$ 11,3 bilhões.

 

Para o secretário de Agricultura João Carlos Oliveira, os números da PAM confirmam o contínuo  crescimento da agricultura baiana. “Os negócios do campo vêm se consolidando como grande força da economia baiana, responsáveis que são por um quarto do PIB do estado. Levando-se em conta que as cadeias produtivas do agronegócio empregam muito, em seus diversos níveis, é fácil dimensionar o caráter estratégico desse setor.

 

Tudo isso é resultado dos esforços dos empreendedores do campo, das famílias que se dedicam a esse setor, e também ao trabalho organizador e incentivador do Governo da Bahia e da sua Secretaria da Agricultura. E tenho certeza de que vamos evoluir ainda mais”, disse.

 

Dentre os grãos, a soja foi o produto com maior aumento absoluto do valor gerado pela agricultura na Bahia. Subiu de R$ 5,9 bilhões em 2019 para R$ 10,3 bilhões em 2020, uma diferença de expressivos R$ R$ 4,4 bilhões que representam um acréscimo da ordem dos 73,7%. Os números também marcam um recorde para o estado.

 

O algodão também foi outro destaque no levantamento. Também do grupo dos grãos, o algodão apresenta o segundo maior valor de produção no estado, alcançando R$ 4,4 bilhões em 2020, mais um recorde a contar desde a implantação do Real, em 1994. O algodão representou, em 2020, uma fatia de 16% do valor total da agricultura baiana – a soja representou 37,4%.

 

Os valores de mercado do algodão também ajudaram na construção dos bons números do produto. O volume de produção em 2020, que foi de 1,462 milhão de toneladas, representa um decréscimo da ordem dos 2% na relação com os números de 2019. Aqui também cabe a explicação do IBGE sobre “o cenário cambial favorável”.

 

Já o milho em grão foi terceiro produto de maior valor para a agricultura da Bahia. Em 2020, foram colhidas 2,6 milhões de toneladas, representando acréscimo de 40,3% à safra de 2019, que foi de 760.097 toneladas. Representou 7,8% do valor agrícola total da Bahia em 2020, com R$ 2,1 bilhões. “Assim como ocorreu com a soja e o algodão, foi um valor recorde para o produto, desde o início do Real, com aumento expressivo frente a 2019 (+ 105,2%, ou + R$ 1,1 bilhão) ”, traz o documento do IBGE.