De iniciativa de vereadores, aconteceu nesta manhã de segunda-feira (30/08) na Sala das Sessões da Câmara Municipal de Itabela, uma reunião com a participação de feirantes que trabalham no Mercado Municipal, secretários municipais e vereadores.

Estiveram presentes os vereadores Ademilson Eugênio (Lukinho), Ademir Ribeiro (Dida), Alex Vieira (Alex da Pax), Felipe Maciel, Ismael Teixeira (Ismael do Tempero), Renaldo Porto, Simone Sossai e Vagner Martins (Vaguinho do Esporte), o Secretário Municipal de Obras – Jinivaldo Miranda, o Secretário de Agricultura – Edgar Goularte, o Secretário de Administração Azarias Souza Silva e o engenheiro civil da prefeitura – Marcelo Lopes.

A reunião se fez necessária para esclarecimentos em relação a reforma do Mercadão, principalmente quanto a realocação dos feirantes durante a obra, que tem sua execução estimada em 1 ano.

A proposta da Secretaria de Agricultura, como uma opção, era de realocar os feirantes do Mercadão para as instalações da Feira Jaime Alves Pires, o que não foi aceito por vários comerciantes, que como contraproposta pediram para ser alocados na rua 02 de Julho, o que foi aceito pela gestão. Os feirantes solicitaram ainda algumas condições como cobertura, segurança e banheiro, reivindicações que serão levadas para discussão com o Prefeito Luciano Francisqueto.

Ainda havia dúvidas em relação ao tamanho dos boxes, que serão de três metros de largura por 4 metros de comprimento, segundo o engenheiro civil Marcelo Lopes. O projeto contempla a divisão do Mercado Municipal em 115 boxes com: um ponto de tomada e um ponto de água, cada um. Diversas outras dúvidas mais específicas também foram esclarecidas pelos secretários.

Os feirantes precisam a partir de hoje iniciar a desocupação do local, com um prazo de 10 dias, para que a empresa dê início a obra.

A feirante Ediane Bispo, disse ter ficado satisfeita com a reunião e esclarecimentos, pois segundo ela havia algumas dúvidas e “disse me disse” em torno do assunto. Para ela a reforma significa conforto para os feirantes e seus clientes, que hoje há receio de pessoas da comunidade em frequentar o Mercado Municipal por algumas características do ambiente.